Queda de cabelo feminina: Saiba mais

mulher com queda de cabelo feminina

Quando falamos sobre a queda de cabelo feminina, as primeiras perguntas que vêm à mente são : quais doenças causam queda de cabelo?quais os motivos da queda de cabelos?  

Nós trazemos todas essas informações para você ficar por dentro do assunto. 

Queda de cabelo: causas

A alopecia androgenética e o eflúvio telógeno são as duas patologias que mais causam queda de cabelos nas mulheres. Só a alopécia androgenética atinge cerca de 5% da população.

O eflúvio telógeno é a queda temporária causada por estresse excessivo, pós parto, pós cirurgia extensa, pós dietas severas, etc. Algumas doenças como hipotireoidismo e anemia podem causar queda de cabelos e existem ainda outras causas de queda, mas são menos frequentes. A boa notícia é que essas doenças podem ser controladas. Nesse texto, falaremos sobre a mais frequente delas, a alopécia androgenética.

A alopecia androgenética, mais conhecida como calvície, é uma doença frequente na população, não só brasileira, atingindo principalmente os homens. Porém, engana-se quem acredita que o público masculino é o único que sofre com esse problema. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), 5% das mulheres brasileiras também sofrem com a alopecia androgenética.

Tanto no homem quanto na mulher, a causa da perda da quantidade e qualidade dos cabelos está relacionada a fatores genéticos e hormonais, em especial a sensibilidade à testosterona. Devido à maior quantidade desse hormônio nos homens, a doença acaba sendo mais severa no sexo masculino. A doença é caracterizada pela perda parcial ou completa dos fios de cabelos, ou simplesmente pela qualidade dos fios que se tornam mais finos, ressecados, com a aparência de palha.

Queda de cabelos em homens

Nos homens, a alopecia androgenética afeta principalmente a parte frontal e a coroa do couro cabeludo, poupando as áreas laterais e posterior, dando aquela aparência típica com entradas marcantes na região lateral da cabeça.

Queda de cabelos em mulheres

Já nas mulheres, há um quadro de rarefação difusa dos cabelos, com falhas em algumas regiões, sendo que a linha média da cabeça é a mais afetada. Na queda de cabelo feminina, os fios também se tornam mais finos e sem brilho, sem volume, e nos casos mais brandos essa pode ser a única alteração. Raramente as mulheres chegam à calvície total.

gráfico que mostra as fases da queda de cabelo feminina

É importante comentar que após a menopausa, com a diminuição dos hormônios femininos e o envelhecimento, os cabelos, mesmo sem a queda, perdem qualidade, brilho, volume, ficam mais finos, mesmo em pessoas que não tenham a tendência genética para calvície. Essas alterações fazem parte do envelhecimento, e vêm acompanhada dos fios brancos.

Queda de cabelo feminina excessiva

A alopécia androgenética não tem uma idade certa para começar mas pode ser identificada pela quantidade diária de fios caindo. Ela precisa ser superior a 100 fios para ser considerada queda de cabelo excessiva. Além disso eles caem não totalmente crescidos e, portanto, são menores do que os que restam na cabeça. Além da queda dos cabelos, na alopecia androgenética ocorre a atrofia dos folículos pilosos e a miniaturização dos fios, que com o tempo não crescem mais do que um pelo.

Como esse é um problema de padrão genético os pacientes com história familiar devem procurar ajuda bem cedo. No sexo feminino, deve-se procurar um dermatologista ou tricologista desde a pós puberdade. Os casos mais graves podem ter início desde a pós menarca, a primeira menstruação. As alterações da qualidade e espessura dos fios aparecem antes da queda, assim como o início da miniaturização dos fios.

Normalmente os cabelos permanecem crescendo durante 2 a 8 anos em um processo contínuo denominado fase anágena. Esse crescimento é interrompido na alopécia androgenética e o fio passa para a fase final de seu ciclo de vida, caindo precocemente.

Por estar diretamente ligada a fatores hereditários, a alopecia androgenética ainda não é totalmente curada mas pode ser prevenida e suas consequências adiadas.

mulher com queda de cabelo feminina fazendo tratamento

Tratamentos e remédios para queda de cabelo feminina

É possível retardar e controlar a queda de cabelo feminina através de suplementação de nutrientes; tratamentos com lasers e a LEDterapia;  uso de medicamentos orais, como bloqueadores de hormônios; e tópicos, como o Minoxidil.  

O tratamento capilar pode variar de acordo com a gravidade e o estágio da queda dos fios, podendo incluir não só a suplementação de polivitamínicos e oligoelementos mas também fatores de crescimento, tais como:

  • uso de vasodilatadores
  • antiandrógenos
  • anticoncepcionais
  • inibidores de di-hidrotestosterona

Além disso, nas clínicas especializadas podem ser feitas sessões de microagulhamento no couro cabeludo seguidas da aplicação de medicamentos como o Minoxidil e, em casos mais graves, é possível optar também por um transplante capilar. Porém, é preciso entender que a doença não tem cura definitiva, logo o tratamento deve ser contínuo e com uma rotina de cuidados regrada para que haja uma melhora significativa.

Além dos métodos citados acima, é possível também utilizar, tanto para o tratamento quanto para retardar o aparecimento da condição, equipamentos de uso domiciliar baseados na fotobiomodulação. O melhor exemplo é Capellux I9 da Capellux, que tem a capacidade de transformar a energia da luz dos LEDs em efeito fisiológico, com cada comprimento de onda atuando em cromóforos específicos (alvos) e gerando respostas terapêuticas.

O equipamento estimula as células tronco e a produção de fatores de crescimento, além de promover uma vasodilatação dos capilares que irrigam o folículo piloso, aumentando, consequentemente, o aporte de nutrientes; a produção de ATP (energia) das células. Com isso, o aparelho estimula o surgimento de novos fios nos folículos que ainda não atrofiaram, além de diminuir a quantidade de cabelos que caem diariamente. Quanto ao modo de uso, o capacete Capellux i9 deve ser utilizado todos os dias durante sete minutos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *