Quimioterapia cai o cabelo? Entenda o que acontece com os fios durante o tratamento

quimioterapia cai cabelo? perguntas frequentes

Muitas pessoas perguntam por que durante a quimioterapia cai o cabelo. Neste texto vamos tirar todas as dúvidas sobre esse tema!

Gerenciar sua vida com câncer tem muitos desafios, não é mesmo? Alguns você pode controlar ou gerenciar, mas outros não. Para muitas pessoas, a pior coisa da quimioterapia é a ideia de perder o cabelo. Compreender o processo e estar preparado para a queda de cabelos é muito importante nessa batalha.

Se você está com câncer e vai fazer quimioterapia, a primeira coisa que precisa saber é que a queda de cabelo é passageira e temporária. O foco deve ser seu tratamento e não seu cabelo. Seus cabelos vão renascer! Você vai renascer! Não deixe o desânimo tomar conta de você!

A oncologia melhorou muito nas últimas décadas e o seu engajamento é fundamental para o sucesso do tratamento. Pense positivamente e vá em frente, lembre-se que o  adversário é forte, mas não invencível. Com isso bem claro na mente, vamos falar sobre a queda de cabelos na quimioterapia.

Câncer faz cair os cabelos?

Não é o câncer propriamente que faz os cabelos caírem, mas sim a quimioterapia. Esse tipo de queda causada por tratamentos quimioterápicos é chamado de eflúvio anágeno, que é uma queda temporária dos fios.

Por que a quimioterapia causa queda de cabelo?

A perda de cabelos ocorre porque a quimioterapia atinge as células tumorais que se dividem rapidamente. No entanto, as células saudáveis que também estão em intensa multiplicação, acabam sendo afetadas, como os pêlos, a mucosa do trato digestivo e as células sanguíneas.

Os folículos pilosos são as estruturas da pele responsáveis pela fabricação dos pelos, ou seja, são as raízes dos cabelos, de onde as hastes surgem e crescem. Quando estão na fase ativa de crescimento, chamada de fase anágena, as células do folículo piloso chegam a se dividir a cada 23 a 72 horas.

Como efeito adverso, a quimioterapia afeta essas células pilosas anágenas, com interrupção do ciclo capilar normal. Ocorre indução da morte celular, com o afinamento dos fios, quebra e queda dos cabelos e de outros pelos do corpo.

A quimioterapia cai o cabelo já na primeira sessão?

A extensão da perda de cabelos depende de quais drogas são usadas, dose, combinação entre diferentes quimioterápicos, tempo de tratamento e características pessoais. Existe quimioterápico que causa maior queda dos cabelos, mas existem tipos de quimioterapia que não fazem cair os cabelos, ou eles caem em menor quantidade.

Quando se trata de quimioterapia com alta chance de queda de cabelos, isso ocorre, em geral, após 1 a 2 semanas da primeira sessão, com aglomerados de fios na escova de cabelo, punhados no banho ou no travesseiro. Nesse momento, indica-se cortar os cabelos. Em outros tipos de quimioterapia, essa perda pode ser gradual, ao longo dos meses. 

Seja como for, pode ser realmente muito difícil e você precisará de apoio durante esse período. Preparar-se para esse dia é importante, seja através da conversa com profissionais da equipe de oncologia, com sua família e também através do amadurecimento pessoal e escolhas sobre como vivenciar a queda de cabelos.

A quimio causa a queda dos cílios e outros pelos do corpo?

Após algumas semanas do início da quimioterapia, você pode perder parte ou todos os fios de cabelos, cílios e outros pelos do corpo.

Após algumas semanas do início da quimioterapia, algumas drogas usadas afetam apenas os cabelos do couro cabeludo, mas outras podem causam perda de sobrancelhas, cílios, pêlos pubianos e os outros pêlos do corpo. 

Todo tipo de quimioterapia cai o cabelo?

Como explicado anteriormente, não é todo tipo de quimioterapia que faz cair muito cabelo. As várias classes de medicamentos quimioterápicos e a forma de administrar produzem diferentes reações. 

Por exemplo, alguns quimioterápicos são administrados semanalmente e em pequenas doses, o que minimiza a perda de cabelo. Outros tratamentos são agendados a cada três a quatro semanas em doses mais elevadas e podem causar perdas mais agudas dos fios.

Tipos de quimioterapias

Algumas drogas têm menos efeitos e outras mais sobre os cabelos. Nem todas fazem o cabelo cair. 

Aqui estão alguns exemplos de drogas quimioterápicas e seus efeitos sobre os pêlos:

Adriamycin

Causa perda de cabelo completa no couro cabeludo, geralmente durante as primeiras semanas de tratamento. Algumas mulheres também perdem cílios e sobrancelhas.

Taxol

Geralmente causa perda de cabelo completa, incluindo cabeça, e também de sobrancelhas, cílios, região pubiana, pernas e braços.

Cytoxan e 5-fluorouracil

Causam perda de cabelo mínima na maioria das mulheres, mas em algumas a perda pode ser mais severa.

Metotrexate

Melhora o cabelo de algumas pessoas, mas não em todas. E é raro ter perda completa de cabelo com esse medicamento isoladamente.

Por isso, não é possível dizer quantas sessões de quimioterapia faz cair o cabelo. Na verdade, depende de qual tratamento é o ideal para a pessoa.

Há como preservar os cabelos durante a quimioterapia?

Em alguns centros de oncologia, existe disponível a técnica de resfriamento do couro cabeludo (scalp cooling) para tentar preservar os cabelos durante a quimioterapia. 

O uso de toucas de resfriamento ou máquinas de resfriamento do couro cabeludo leva à vasoconstrição, diminui a absorção de quimioterápico pelas células do pelo e reduz o metabolismo folicular, com preservação do efeito tóxico do quimioterápico em parte dos cabelos durante a sessão. 

É válido ressaltar que os resultados dependem do tipo de quimioterapia, dose, esquema de tratamento, combinação de agentes e características individuais. Esse método pode trazer efeitos colaterais como dores de cabeça, náusea e tonturas. Pode ocorrer queimadura pelo gelo com as toucas aplicadas de forma inadequada.

O scalp cooling é seguro e eficaz para pacientes com tumores localizados, como no câncer de mama em estadiamento inicial, especialmente quando tratados com taxanos. Porém, não deve ser utilizado em pessoas com tumores hematológicos (leucemia e linfoma), nem em doenças desencadeadas pelo frio.

Pergunte ao seu médico se esse serviço está disponível no local onde você fará o tratamento e se tem indicação para seu caso.

Radioterapia provoca queda de cabelo?

A radioterapia só causa perda de pêlos na parte específica do corpo tratada. Se a radiação é usada para tratar a mama, por exemplo, não há perda de cabelo em sua cabeça. 

Radiação para o cérebro, usado para tratar câncer ou metástases no cérebro, geralmente causa perda de cabelo na região irradiada ou em toda cabeça.

Tratamentos hormonais

O tamoxifeno, por exemplo, pode causar um pouco de dano a seu cabelo, mas não leva à calvície.

Quando os cabelos voltam a crescer depois da quimioterapia?

Como dissemos, essa perda dos cabelos é temporária. Geralmente, os cabelos que caem primeiro são os que retornam mais rápido. O cabelo cresce mais rápido do que as sobrancelhas, cílios e pêlos de outras partes.

A sequência do retorno dos fios geralmente se dá assim: após duas ou três semanas da finalização da quimioterapia, começa a surgir uma penugem suave.

Depois de aproximadamente um mês, o cabelo real começa a crescer em um ritmo quase normal. Após cerca de 2 meses seus cabelos estarão medindo cerca de 2cm. Depois disso, seus cabelos voltam a crescer no ritmo normal de 1 cm por mês.

Depois da quimioterapia os cabelos voltam ao normal?

Seu novo cabelo pode ser igual ao antigo, pode ser mais grosso e mais crespo ou mais liso do que seu cabelo original. Pode crescer com uma cor diferente da original, inclusive menos branco do que antes.  Cerca de 65% dos pacientes percebem mudança na textura (cabelos ficam lisos ou encaracolados) ou cor dos cabelos com a quimioterapia citotóxica.

As mulheres que tingem ou fazem outros tratamentos químicos nos cabelos talvez não se lembrem de seus cabelos como eram originalmente e podem se surpreender com a nova cor, textura e aparência.

Depois de alguns meses, na maioria dos casos, os cabelos voltam a ser como eram antes da quimioterapia.

Nas perdas de cabelo por radioterapia o retorno também é mais lento.  Leva cerca de 4 a 6 meses para os fios crescerem cerca de 2 cm. Seu novo cabelo provavelmente será mais fino do que era, e algumas áreas podem ficar sem cabelos, a depender da intensidade da radiação utilizada

Tratamentos para queda de cabelo após a quimioterapia

Os tratamentos para a queda de cabelos após a quimioterapia não são obrigatórios ou indispensáveis. Na verdade, por uma questão de autoestima, a maioria das pessoas recorrem a eles, o que é completamente justificável e confortante. Seus cuidados são como um carinho que você se dá depois de um período muito desgastante. 

Eles visam acelerar a recuperação da qualidade e o crescimento dos fios e se iniciam após o término do tratamento quimioterápico. 

Conheça alguns tratamentos indicados para para prevenção e tratamento da queda de cabelo após a quimioterapia:

Minoxidil tópico : Não previne a  queda de cabelo induzida por quimioterapia, mas acelera a repilação após o término da quimioterapia.

LEDterapia É uma tendência mundial no tratamento das várias formas de queda de cabelos, inclusive a pós quimioterapia.  Os dispositivos de LEDterapia podem ser encontrados em forma de boné e capacetes e seu pode ser feito em casa, com a aplicação por alguns minutos ao dia.

Conheça o boné de LED para queda de cabelo Capellux.

Lidando com a perda de cabelo

A perda de cabelo pode ser perturbadora, pois é possível que você se sinta menos atraente, não é mesmo? Aqui estão algumas dicas para ajudá-la a lidar com a perda temporária de cabelo:

  • Considere cortar o cabelo antes que ele caia. Sentir a perda excessiva dos cabelos às vezes é pior do que lidar com ele depois que ele acaba.
  • Compre uma peruca antes de seu cabelo acabar, especialmente se você deseja combinar com sua cor natural.
  • Lembre-se de cobrir a cabeça ou usar protetor solar no couro cabeludo ao sol.
  • Experimente chapéus e cachecóis.

Para finalizar, precisamos deixar claro que muito raramente a calvície permanece por longos períodos. Neste caso, os folículos foram totalmente atrofiados pela quimioterapia.

Lembre-se, esta situação é rara. Se você é uma destas mulheres, a melhor coisa a fazer é: dar a volta por cima e virar uma especialista em sentir-se atraente e ajudar outras mulheres a lidar com esse problema.

Dra. Giselle de Barros Silva CRM 126424 SP – RQE 33797

Formada em Dermatologia pela UNICAMP, com aperfeiçoamento em Cosmiatria na Faculdade de Medicina da USP. 
Fez estágios em Oncodermatologia na Faculdade de Medicina de Yale e no Memorial Sloan Kettering Cancer Center, nos Estados Unidos.
Nos últimos anos, tem se dedicado à pesquisa sobre resfriamento do couro cabeludo para prevenção da alopecia induzida pela quimioterapia, com diversos artigos publicados no tema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *