Cabelo caindo: o que fazer? Veja dicas

mão com cabelos caídos da cabeça

Ao identificar o cabelo caindo, o que fazer torna-se uma preocupação tanto de homens como de mulheres, afinal, a aparência dos fios influencia bastante no bem-estar e na autoestima.

Inicialmente, é preciso que se saiba diferenciar a queda natural dos cabelos e aquela que é excessiva. Cabelos caem sempre, isso é normal! No ciclo capilar, a fase de queda do fio é chamada de telógena e ocorre quando um fio chegou ao seu limite de vida. Um novo fio nascerá para substituir o fio que entrou em fase de repouso/queda.

Dessa forma, se o número de fios caindo limitar-se a 50 até 100 fios por dia, não é preciso se preocupar, mas, se a queda for superior a esse número, temos um problema. Isso é fácil de perceber no banho, no travesseiro ou ao escovar e pentear os cabelos. Se o volume se tornar mais rarefeito, é preciso tomar providências.

Outra observação a ser feita é se o cabelo está caindo ou se está quebrando. No primeiro caso a queda inclui a raiz, enquanto o fio quebradiço afeta só uma parte da haste capilar e pode ser provocado por enfraquecimento ou ressecamento dos fios.

Caso esteja preocupado com seu cabelo caindo, o que fazer segue logo abaixo!

homem com cabelo caindo

Cabelo caindo: o que fazer em 10 dicas

A queda de cabelos pode ser provocada por diferentes  fatores e, por isso, as opções para reverter esse processo levam em conta as causas do problema.

Por essa razão, conhecer as causas da queda de cabelo é muito importante para que o tratamento capilar entregue os resultados esperados. Conheça algumas delas a seguir!

1. Alimentação

Um dos principais fatores que causam a queda de cabelo é a deficiência nutricional na alimentação, como ingestão insuficiente de vitaminas, minerais e proteínas.

Quando o organismo não tem nutrientes suficientes, ele usa o que tem disponível nos processos considerados mais importantes, vitais, o que não inclui a saúde capilar.

Dessa forma, uma das recomendações para quem está com queda de cabelo acentuada, é melhorar a alimentação, incluindo mais opções naturais, como proteínas, legumes, verduras e frutas na dieta. E sim, tem que ser tudo isso! Não somente proteína e frutas, por exemplo.

Uma opção é a suplementação de vitaminas para o cabelo, que normalmente contém as vitaminas e os minerais necessários para a saúde dos cabelos. Mas esse tipo de tratamento precisa ser recomendado para que as doses sejam adequadas.  O excesso de vitaminas A e B ou de ferro, por exemplo, podem ser tão prejudiciais à saúde capilar quando o déficit desses nutrientes. Não se esqueça que os suplementos de vitaminas não contém proteínas!

2. Exercícios físicos

Uma rotina ativa de exercícios físicos já é reconhecida pelos benefícios nos sistemas cardiovascular e respiratório, no entanto, também pode contribuir na saúde capilar.

As atividades físicas aumentam a oxigenação no sangue, fazendo com o que oxigênio e nutrientes sejam melhor distribuídos no organismo, o que inclui uma melhora na microcirculação na região do couro cabeludo, causando a renovação celular.

3. Suspender as químicas

Em alguns casos, a queda de cabelo pode ter relação com a realização frequente de procedimentos químicos nos cabelos, como progressivas, tinturas e cauterização.

A recomendação é que os intervalos entre procedimentos sejam de, pelo menos, um ou dois meses, para que haja uma restauração do fio antes que ele seja submetido a um novo agente químico. O Brasil é campeão de problemas com químicas de cabelo que causam danos aos fios (a haste). No caso, queda de cabelo sem a raiz. 

Quando esses prazos não são respeitados ou se o cabelo é submetido a essas mudanças quando já está fragilizado, pode haver uma intensificação da queda somada a enfraquecimento e ressecamento dos fios.

4. Rotina de limpeza capilar

Outro importante causador da queda de cabelo é a oleosidade capilar, que tem relação direta com a rotina de limpeza. Um agravante da oleosidade excessiva é de desenvolver caspa ou dermatite seborreica.

Dessa forma, a recomendação aqui é realizar uma higienização compatível com as características do seu fio. Por exemplo, cabelos oleosos devem ser lavados com maior frequência do que os secos e usando shampoo específico para remover mais a gordura produzida pelo couro cabeludo.

5. Queda de cabelo por tração

Algo que deve ser considerado na avaliação das causas da queda de cabelo é se ela pode ter relação com hábitos que causam tração exacerbada nos fios. Esse é outro problema frequente no Brasil, que felizmente está mudando, com novos hábitos e costumes em relação aos cabelos mais crespos.

Exemplos do que pode causar queda por tração são: prender o cabelo diariamente com penteados mais firmes, como coques, ou mesmo usar bonés e capacetes apertados por muitas horas por dia.

Se esse for o caso, a recomendação é tentar afrouxar o penteado ou acessório para que não machuque o couro cabeludo e, também, não prender ou abafar os fios quando ainda estiverem molhados.

6. Shampoo antiqueda

Com o cabelo caindo, o que fazer para reverter a situação inclui, na maior parte das vezes, o uso de um shampoo antiqueda ou tônico antiqueda.

Esses produtos têm formulações com substâncias antioxidantes, como a cafeína, que ajuda a reduzir o envelhecimento celular. Além disso, contém substâncias que aumentam o metabolismo do couro cabeludo, acelerando o crescimento capilar.

Existe uma grande variedade de produtos no mercado, nacionais e importados,  que com certeza vão satisfazer sua vontade de ter um cabelo mais bonito, sedoso e cheiroso.

7. Redução do estresse

Entre as principais causas da queda de cabelo está o estresse, principalmente devido ao efeito do cortisol, hormônio que quando em excesso no organismo reduz a atividade das células, altera o metabolismo dos nutrientes, prejudicando a absorção de vitaminas, proteínas e minerais.

Nesses casos, o que ocorre é uma redução do trabalho das células dos folículos pilosos e menor disponibilidade de nutrientes que afetam à saúde capilar. Não é fácil mas é  preciso combater as causas do estresse para que os tratamentos apresentem resultados satisfatórios.

O estresse chega por todas as portas e janelas na vida moderna. É um daqueles problemas difícil de explicar mas que todo mundo conhece. A condição pode ser causada por uma rotina exaustiva, sendo considerado crônica ou também por eventos esporádicos, adversos, que desencadeiam crises agudas.Em geral, a queda de cabelo por estresse demora a se concretizar porque essa alteração hormonal acelera o ciclo capilar, com muitos fios entrando na fase telógena, mas pode demorar até três meses para que a queda ocorra de fato.

8. Rever hábitos

Muitos hábitos podem estar relacionados com a queda de cabelo, mas dois deles se destacam no caso da queda de cabelos.

Um deles, prejudicial à saúde como um todo, é o tabaco. As substâncias que compõem o cigarro causam aumento dos radicais livres, responsáveis pela oxidação celular. A oxidação “enferruja“ as células, que passam a trabalhar menos e pior.

Além disso, o tabaco entope os capilares (micro-vasinhos), a microcirculação sanguínea que é a responsável para que cheguem todos os nutrientes e oxigênio ao couro cabeludo. E é claro, reduzem o crescimento e qualidade dos cabelos.

O segundo hábito prejudicial é o consumo excessivo de álcool.  Também pode ter relação com a queda, devido a causar problemas associados, como dermatite seborreica, desidratação, déficit nutricional e estresse.

9. Avaliar medicações ingeridas

A ingestão de medicamentos também pode causar a queda de cabelo e, assim como o estresse, o problema costuma se manifestar dentro de três meses, o que pode dificultar a identificação.

Medicações como antibióticos, anti-inflamatórios ou remédios para controle do apetite podem ter como efeito a queda de cabelo e essa informação costuma estar presente na bula entre os efeitos colaterais.

Avaliar as medicações que faz uso é uma opção para pessoas com queda de cabelo que não conseguem identificar o motivo do problema.Nesses casos, a recomendação é avaliar o custo-benefício do medicamento e conversar com o médico sobre a possibilidade de substituição.No caso de medicações quimioterápicas, o dano ao bulbo capilar é mais rápido, causando uma queda de cabelo por conta da quimioterapia severa e em menos tempo. Após o fim do tratamento o cabelo volta a crescer.

10. Tratamento com LED

Você pode se perguntar “ luz vermelha trata queda de cabelo? Isso é possível?” Pode acreditar! Atualmente, uma moderna ferramenta para quem está com o cabelo caindo é fazer um tratamento com luz de LED, chamado de LEDterapia. É uma tendência mundial no tratamento de cabelos. Essa abordagem pode ser realizada em casa de forma segura e eficiente com equipamentos como boné Capellux ou capacete de LED, ou em clínicas especializadas.

Na LEDterapia, ocorre uma distribuição equilibrada da luz vermelha no couro cabeludo resultando, na melhor nutrição e saúde dos folículos, o que prolonga o ciclo de vida dos fios.

Além disso, o tratamento melhora a absorção de nutrientes no couro cabeludo, tornando os fios mais fortalecidos e grossos, prevenindo não apenas a queda de cabelo como também a quebra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *